Gestão Fiscal

A real importância da Gestão Fiscal para uma Pequena Empresa

Conheça o exemplo de Carlos: um empreendedor que descobriu na prática porque a Gestão Fiscal faz a diferença para seu pequeno negócio

Carlos é o que se pode chamar de empreendedor: viveu anos pensando em ter seu próprio negócio, até que finalmente sua loja saiu do papel. Daí em diante, ele fez de um tudo, tentando manter o negócio. Mas não é que no meio do caminho veio um susto!? Foram multas e penalizações, causadas por falhas em sua Gestão Fiscal.

O que Carlos deveria saber desde o início sobre a Gestão Fiscal?

O problema é que ele se esqueceu de um detalhe: os impostos das notas fiscais. Ele tinha suas planilhas e até sabia quanto dinheiro em caixa sua loja tinha para gastar. Mas, além de não emitir documentos fiscais em todas as operações (o que atrapalhava a validação de seu balanço), a verdade é que Carlos ainda se atrapalhava com a administração dos impostos e tributos a serem cobrados em cada uma das NF eletrônicas.

Mesmo sem querer, o empreendedor acabou deixando de lado um ponto fundamental para o equilíbrio da operação de sua empresa. Afinal de contas, ao contrário de investir para expandir seus resultados, agora ele tem que desembolsar seus recursos para colocar em dia os custos por ter esquecido de acompanhar o recolhimento de tributos.

Mas é bom que se diga que não foi apenas a multa que o deixou preocupado: mais do que a penalização com juros, seu negócio correu o risco de sofrer alteração na forma de tributação geral (ser excluído do SIMPLES, por exemplo) e agora não pode mais nem sequer buscar empréstimos ou investimentos!

Como pagar as dívidas?

Cada tipo de tributo tem seus próprios caminhos: Carlos, por exemplo, estava devendo em impostos federais e estaduais, como o ICMS e o IPI. Para colocar essa situação em ordem, ele contou com nosso Blog e também com o SEBRAE local, onde teve toda a orientação sobre onde e como agilizar o processo de acerto das dívidas – e porque é essencial não deixar isso acontecer outra vez!

Lá ele descobriu também que o caminho era ir até a Secretaria da Fazenda do estado e iniciar o processo de renegociação da dívida – que diminui os custos e flexibiliza o prazo. Mas será que isso basta para evitar problemas na Gestão Fiscal?

Acompanhe nosso Blog e saiba tudo sobre Gestão Fiscal! Não deixe de enviar suas dúvidas nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *