NFC-e: por que sua empresa deve ficar de olho nisso?

Pensada para simplificar processos, NFC-e permite acesso em tempo real aos valores repassados do vendedor para o Fisco

Você que trabalha com varejo já está atento à Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e)? Não? Então, é hora de resolver isso!

Afinal de contas, estamos falando de uma novidade que pode ajudar e muito sua operação. Quer saber como? A gente explica!

O que é a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica?

A NFC-e é um documento fiscal eletrônico emitido ao consumidor final após a compra de mercadorias.

Esta modalidade substitui a Nota Fiscal de Consumidor (NFC), do modelo 2, e o cupom fiscal, garantindo maior transparência das operações aos órgãos de fiscalização e ao consumidor.

A ideia é estabelecer um padrão nacional de documento fiscal eletrônico, com base na Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), mas com as adaptações práticas para atender o varejo.

Quem deve emitir a NFC eletrônica?

A nota eletrônica para consumidor ainda não está disponível em todo o país. A previsão é que o Brasil tenha sua versão de NFC-e completamente instalada apenas no início de 2019.

Atualmente, apenas estados contam com versões em teste. Em São Paulo, por exemplo, o contribuinte pode usar o Sistema de Autenticação e Transmissão de Cupom Fiscal Eletrônico (SAT-e), em que os documentos fiscais são gerados, autenticados e transmitidos à Sefaz paulista.

Já o Ceará possui um modelo semelhante, chamado de Módulo Fiscal Eletrônico (MFE). Nele, é possível emitir, transmitir, validar e armazenar as notas fiscais.

Mesmo nestes estados, porém, é importante dizer que a adesão à NFC-e ainda é opcional.

Como meu negócio é impactado pela NFC-e? 

Outra coisa que é importante lembrar é que a nota para consumidor traz vários benefícios aos empreendedores.

Uma das vantagens é a redução de gastos com papel e impressora fiscal já que o Equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF) não é obrigatório – o contribuinte pode imprimir suas notas fiscais em impressoras comuns!

Contribuintes que emitem NFC-e são beneficiados em:

  • Não é exigido homologação de hardware ou software para emissão da NFC-e;
  • Transmissão em tempo real ou online da NFC-e através de dispositivos mobile ou desktop;
  • Integração com programas de cidadania fiscal;
  • Integração com plataformas de vendas físicas e virtuais;
  • Possibilidade de expandir as unidades de operação sem precisar de autorização da Sefaz, basta apenas uma loja ter o sistema autorizado pelo órgão.

O que é preciso para emitir uma NFC-e?

O empreendedor deve estar com a Inscrição Estadual em dia para emitir uma NFC-e. São necessários o Certificado Digital de Pessoa Jurídica, credenciamento na Sefaz e o Código de Segurança do Contribuinte (CSC) entregue pelo órgão após o credenciamento.

É importante ainda que o negócio possua um software emissor de NFC-e, além de um computador, conexão com a internet e uma impressora não fiscal.

Mas lembre-se: por ainda ser recente, a NFC-e exige cuidado para evitar erros na hora de preencher os dados ou até mesmo ao gerar o arquivo XML.

A dica, portanto, é estar sempre em conversa com o contador para não ter dor de cabeça e encontrar um sistema de emissão que atenda as demandas da empresa e emitir os documentos fiscais de maneira segura e prática.

Viu como é importante sua empresa estar prepara para a NFC-e? Para saber mais sobre Notas Fiscais de Consumidor fique de olho no Saldo MAIS! Em breve, teremos novidades para você! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *