NFS-e Nacional: por que um modelo único pode facilitar a emissão de notas?

Projeto de uma NFS-e Nacional, com padrão definido, pretende diminuir burocracias e gerar maior segurança na atividade fiscal

Não há como negar, a Nota Fiscal de Serviço eletrônica (NFS-e) agiliza o trabalho dos prestadores de serviço, levando mais praticidade à gestão fiscal.

Por outro lado, como cada cidade tem uma lei e regras diferentes, a verdade é que a falta de um modelo padrão pode gerar algumas dúvidas: como comprovar a autenticidade do documento? As informações na nota estão realmente corretas?

Para resolver esses dilemas, desde o fim de 2017, a Receita Federal (RFB) e a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) colocaram em prática um projeto piloto para padronizar a emissão do documento: a Nota Fiscal de Serviço eletrônica Nacional (NFS-e Nacional).

O que é a NFS-e Nacional?

A NFS-e Nacional será um modelo padrão em que o prestador de serviço poderá emitir sua nota a partir de uma regra comum, ou seja, igual para todo o Brasil.

O projeto que institui o padrão nacional da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica ainda está em fase de testes, com disponibilidade apenas nas cidades de Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Maringá, Marabá e Belo Horizonte.

Ainda não há uma data definida sobre quando a novidade valerá em todo o território nacional. A expectativa, porém, é que a NFS-e nacional chegue para valer a partir do segundo semestre de 2018.

Quais mudanças ela trará quando passar a valer?

Hoje, são 5.570 legislações e Notas Fiscais de Serviços diferentes – uma para cada município! Além disso, ainda existem lugares onde o usuário tem que emitir a NF de forma manual (nas cidades em que não há NFS-e).

Quando a NFS-e Nacional passar a valer, o empreendedor vai resolver esse problema. Com isso, ele passa a ter aumento de competitividade em seu próprio mercado, uma vez que a operação fiscal vai exigir menos tempo, logo, menos gastos também.

Outra vantagem, dessa vez para os clientes, será a exigência obrigatória do Certificado Digital. Com a NFS-e Nacional e um emissor preparado para esse padrão, vai ser mais fácil garantir a autenticidade das notas emitidas e assegurar o contribuinte e o tomador do serviço.

Como será o cálculo do ISS e do Recibo?

  • O cálculo continuará de acordo com a legislação de cada município (Micro e pequenas empresas têm uma alíquota de 2% a 5%, dependendo da prefeitura);
  • Microempreendedores individuais (MEI) pagam R$ 5,00 diretamente no Documento de Arrecadação Simplificada (DAS);
  • A emissão do Recibo Provisório de Serviço (RPS) também continuará igual.

Enquanto isso, que tal saber mais sobre Notas Fiscais Eletrônicas? Para conhecer tudo sobre sua NF-e, fique de olho no Saldo MAIS! Em breve, teremos novidades para você!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Comunicado IMPORTANTE!

O Saldo Mais, em nome da sua Diretoria, vem por meio deste informar a todos os clientes, amigos e parceiros, que suas atividades estarão sendo encerradas em 31 de janeiro de 2021, prazo este para que nossos clientes tenham tempo hábil para procurar outra solução para emissão de notas fiscais para seus negócios. Novos cadastros estão suspensos, estaremos prestando serviço somente para quem já é nosso cliente.

Informamos também que o plano mensal bem como sua renovação só estará disponível até o mês de Abril (30/04/2020).

Para maiores informações, clique aqui e saiba mais.